El Niño deve potencializar safra 2015/2016

0
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

El Niño, o menino em espanhol, recebeu esse nome quando pescadores peruanos e equatorianos perceberam o aquecimento das águas na época do Natal e o apelidaram em referência o menino Jesus. O aquecimento da água gera uma evaporação anormal que modifica o padrão de vento. As consequências são devastadoras, com chuvas torrenciais e deslizamentos de terra na costa oeste da América do Sul, que é normalmente seca. E secas nos países do Pacífico Oeste tropical.

Outras consequências são o aquecimento das águas a grande profundidade, impedindo a subida dos nutrientes necessários para cadeia alimentar submarina e danos aos recifes de corais. Através da ação e reação, um fenômeno inverso acontece no ano seguinte: a La Niña. Uma enorme reserva de água fria na mesma região, que sobe para superfície. Seus efeitos destruidores no clima podem chegar até a Ásia e a América. O El Niño acontece a cada 3 a 7 anos e é cada vez mais forte. A frequência aumentou no final do século 20. Mas segundo especialistas sua causa ainda não foi descoberta e não se pode dizer que o aquecimento global multiplica ou agrava o fenômeno.

Para o território brasileiro, o fenômeno traz aumento de temperatura e tendência de chuvas acima da média, especialmente no Sul e Centro-oeste, onde está a maior parte da safra de grãos. Sob a influência do El Niño, Brasil e Argentina devem elevar sua produção no ciclo 2015/2016 e somar 116 milhões de toneladas. Confira no vídeo abaixo, em maiores detalhas, como o fenômeno acontece.

 

Fontes: Uol, Globo Rural.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Sobre o Autor

Comentários no Facebook