Matéria orgânica, o que realmente é isto?

0
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Agropro Matéria orgânica, o que realmente é isto

A matéria orgânica do solo consiste em um dos componentes mais importantes para a conservação e qualidade do solo. Ela é uma das principais responsáveis por se manter a estrutura do solo e promover o sequestro de C (Tisdall and Oades, 1982). Sua concentração nos solos muitas vezes também está diretamente relacionada a ganhos de produtividade das culturas, ou seja, quanto maior os ganhos nos seus estoques, maior a produtividade agrícola (Sá et al., 2014).

Apesar de muito se conhecer sobre sua importância, pouco se sabe exatamente sobre a sua composição e sobre de que forma cada um dos seus compartimentos atua no solo. A seguir, falaremos brevemente sobre a composição da matéria orgânica e sobre alguns de seus compartimentos.

Foto 1

Figura 1: A concentração de matéria orgânica do solo e a atividade biológica são dois dos principais responsáveis em proporcionar a conservação dos solos e a manutenção dos estoques de C.

A matéria orgânica é dividida em reservatórios

A matéria orgânica do solo é complexa e composta por organismos vivos e mortos em diversos estágios de decomposição. Sua fração ativa é composta primariamente por fungos e bactérias, que podem corresponder a cerca de 80% dos organismos do solo (Six et al., 2006). Grande parte do seu conteúdo é composto por carbono (C), sendo os dois termos muitas vezes considerados sinônimos dependendo do foco do estudo.

Diversos estágios de decomposição se fazem presentes ao mesmo tempo nessa complexa interação. A matéria orgânica estável, representa os mais elevados estágios de decomposição do material, que conta pela maior porcentagem do teor total.

Já os estágios de decomposição mais recentes, chamado de matéria orgânica lábil, estão mais diretamente relacionados à atividade microbiana do solo, e representam uma menor porcentagem do total.

A medida que os organismos do solo trabalham na decomposição do material, parte da matéria orgânica lábil vai passando para estágios mais estáveis, que são mais resistentes à intempéries e ao manejo do solo.

Figura 2

Figura 2: Diferente frações da matéria orgânica do solo. Fonte: Adaptado de Saljnikov et al. (2013)

Frações lábeis consistem em importantes indicadores de qualidade do solo

Como visto anteriormente, as frações lábeis da matéria orgânica correspondem aos graus menos elevados de decomposição do material. Como as frações jovens são sensíveis a mudanças do ambiente, seja pelo clima ou manejo do solo, seu conteúdo pode consistir em um eficiente indicador de qualidade do solo.

Uma das frações que tem sido largamente utilizada em pesquisas é a fração do C extraído por água quente (CAQ). Essa metodologia foi inicialmente proposta por Ghani et al. (2003), e corresponde a uma das frações mais lábeis da matéria orgânica. Por estar diretamente ligada à atividade microbiana do solo, seu papel é fundamental na formação de agregados do solo e consequentemente para a qualidade e saúde do solo.

Numerosos trabalhos têm demonstrado diferentes formas de se extrair frações da matéria orgânica, seja por métodos físicos ou químicos. Devido a sua complexidade, ainda há muita discussão sobre os métodos mais adequados de se realizar essa divisão.

figura 3

Figura 3: Frações mais lábeis da matéria orgânica estão diretamente ligadas à atividade microbiana do solo. Foto: modernfarmer.com

Sistema plantio direto para a proteção do carbono do solo

Como demonstrado em diversos trabalhos, o sistema plantio direto consiste em uma das principais estratégias para promover o sequestro de carbono e a conservação dos solos. Um de seus principais benefícios é proporcionar justamente o aumento das frações lábeis da matéria orgânica, que estão diretamente relacionadas à atividade biológica do solo (de Moraes Sá et al., 2013). Revolvimentos ocasionais do solo, por mais que não comprometam frações mais estáveis da, tem um impacto direto sobre frações mais lábeis, prejudicando a atividade biológica e comprometendo a capacidade de agregação do solo (Bending et al., 2000).

Quer saber mais sobre como o plantio direto pode ajudar na manutenção da matéria orgânica? Acesse o blog da Agropro e confira!

Referências

Bending, G., Putland, C., Rayns, F., 2000. Changes in microbial community metabolism and labile organic matter fractions as early indicators of the impact of management on soil biological quality. Biology and Fertility of Soils 31, 78-84.

de Moraes Sá, J.C., Séguy, L., Tivet, F., Lal, R., Bouzinac, S., Borszowskei, P.R., Briedis, C., dos Santos, J.B., da Cruz Hartman, D., Bertoloni, C.G., 2013. Carbon depletion by plowing and its restoration by no-till cropping systems in Oxisols of subtropical and tropical agro-ecoregions in Brazil. Land Degrad. Dev.

Ghani, A., Dexter, M., Perrott, K., 2003. Hot-water extractable carbon in soils: a sensitive measurement for determining impacts of fertilisation, grazing and cultivation. Soil Biology and Biochemistry 35, 1231-1243.

Sá, J.C.d.M., Tivet, F., Lal, R., Briedis, C., Hartman, D.C., dos Santos, J.Z., dos Santos, J.B., 2014. Long-term tillage systems impacts on soil C dynamics, soil resilience and agronomic productivity of a Brazilian Oxisol. Soil and Tillage Research 136, 38-50.

Saljnikov, E., Cakmak, D., Rahimgalieva, S., 2013. Soil Organic Matter Stability as Affected by Land Management in Steppe Ecosystems. InTech Open Access Publisher.

Six, J., Frey, S., Thiet, R., Batten, K., 2006. Bacterial and fungal contributions to carbon sequestration in agroecosystems. Soil Science Society of America Journal 70, 555-569.

Tisdall, J., Oades, J.M., 1982. Organic matter and water‐stable aggregates in soils. Journal of soil science 33, 141-163.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Sobre o Autor

Eng. Agrônomo e Mestre em Agricultura (Uso e Manejo do Solo) pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Trabalha na área de matéria orgânica do solo com enfoque em plantio direto e sequestro de Carbono.

Comentários no Facebook